Jardins de Palavras em canteiros de versos a cerca de eiras de prosa. Em 2008, um mês, um livro, desde julho
Sábado, 6 de Julho de 2013
O Bandido

Hoje, em exemplar autoperdão,

me dei uma tarde para almoçar.

Horas a fio sem mais que fazer que a alegria de estar vivo.

Companhias fabulosas, mesas “VIP” com dono do botequim.

 

Tarde, ao final da fanfarra, me apresentam o bandido.

Aquele cidadão brasileiro, o clássico ser tolerado.

Contraventor e violento, mas riquíssimo e bem comportado.

procura companhia, ou procura respeito.

 

A verdade, ele ignora punição e arrota sua bandidagem,

Como se fosse eu, quem dera, batendo na mesa e avisando,

“sou Ph.D, um Cientista!”

Mas é o Brasil, e aqui, ainda batem na mesa que invadiram sem pedir licença,

 

Se relacionam, e, educadamente ou não, anunciam,

“sou contraventor, por isto tenho guarda costa que bate em quem precisar.”

Me despeço sem ouvir o final.

Saio sem apreço, mas com educação e desprezo.

 

Vai-te a merda e seus problemas, na contra mão de como escuto.

Sua depressão, no seu ser amargo, não me cabem, penso sem solidarizar.

Sua cadeia, não te deram,

e quem trabalha, não te tolera, ou não devia.

 

E engraçado que ia escrever da boa-pirataria

Do mundo escondido das cozinhas do Brasil.

Escrevi da bandidagem anunciada de cretinos,

sem mãe e safados, que acham bonito a merda que são.

 

Porém vingado me vou, ao menos acharia.

Pois me vou pobre (perto dele),

mas me vou amado.

Não sabia mas o rancor me acompanharia com seus demônios.

 

Amargurei desprezá-lo, mas afinal, se ele procura compreensiva solidariedade, coitado há de ser...

Quem busca o que nunca tomou, é que aprendeu que não dá para tomar o mais importante.

Acordo e converto rancor em pena,

pena em lamento, e lamento, em dó.

 

Sobrou rezar em poema o perdão de não lamentar antes, não solidarizar antes, não querer que ele melhore, pois melhores todos, melhores nós.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 22:31
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Anónimo a 7 de Julho de 2013 às 20:45
ficou lindo!


Comentar post

O Poeta e o Biólogo, e o jardineiro
Copyscape
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
últimas poesias

49 completos

Poeminha para a Gabi ler ...

Ode à barata latino-ameri...

Despoema

Laura 1.5

HECATOMBE

Feiurinhas de Ana Beatriz

Em tempos de....

Medos trocados

O Maneta

Dias brancos

Diferentes coisas

Caixa de passarinhos

O que foi?

Fragmento de um poema esc...

Poema resposta: a uma lei...

Diálogo com o destruidor ...

A senda, a folga e a vida

Verdade

Mundinho Cão

O amor, a explicação defi...

De boca

Ela, ele

DETOX

O surgimento do xingament...

Livros e retalhos

Julho 2016

Junho 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

pesquisar
 
links
subscrever feeds