Jardins de Palavras em canteiros de versos a cerca de eiras de prosa. Em 2008, um mês, um livro, desde julho
Segunda-feira, 28 de Junho de 2010
Uma semana à toa em Lisboa - Bin Laden e a partida

Ele não destruiu a civilização,

destruiu a civilidade, a gentileza e o respeito.

 

Ele não enfraqueceu o capitalismo ocidental,

fortaleceu!

 

Deu às Companhias aéreas, aeroportos e uma rede de outros ladrões,

o direito sobre o cidadão, masoquista, que paga os mais altos preços

para ser tratado como terrorista internacional logo de manhã.

 

Subjulgados à obrigação de usar aviões,

com linhas loteadas e sem competição real,

o capital só precisava dele, Binbin safado e colaboracionista,

para impor humilhação e roubo à luz do medo.

 

Para os portugueses que se fazem de burros e obtusos para serem abusadores e sem vergonha (bem, façamos justiça, os portugueses não! Os Lisboetas, pois ao menos nos Açores ainda sobrevive a delicadeza, paciência e respeito ao próximo), isto lhes caem ainda melhor!

 

Calmo, tomo café e assisto a tudo isto de longe.

Não me pegam de surpresa, e eu sei que tenho que estar aqui 3 horas antes do vôo, para ter tempo de escolher o abuso que menos incomoda.

 

Ou, claro, sempre pode-se viajar sem bagagem e pelado para que se passe ileso às regras e não te obriguem a se despir em público.

 

(horas depois de escrever isto, me pegam no embarque para correr atrás de uma mala minha parada na segurança por causa de um líquido de zippo esquecido no seu interior. Teria perdido o avião, eu, o primeiro passageiro a fazer o check-in, não fosse a gentileza na moça que me atendeu que, coincidência, viveu na Terceira, e quando soube que foi lá que eu deixei o líquido cair na bolsa, me salvou).



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 03:00
link do post | comentar | favorito

O Poeta e o Biólogo, e o jardineiro
últimas poesias

Mulheres nas Ciências Bio...

49 completos

Poeminha para a Gabi ler ...

Ode à barata latino-ameri...

Despoema

Laura 1.5

HECATOMBE

Feiurinhas de Ana Beatriz

Em tempos de....

Medos trocados

O Maneta

Dias brancos

Diferentes coisas

Caixa de passarinhos

O que foi?

Fragmento de um poema esc...

Poema resposta: a uma lei...

Diálogo com o destruidor ...

A senda, a folga e a vida

Verdade

Mundinho Cão

O amor, a explicação defi...

De boca

Ela, ele

DETOX

Livros e retalhos

Março 2020

Julho 2016

Junho 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

pesquisar
 
links
subscrever feeds