Jardins de Palavras em canteiros de versos a cerca de eiras de prosa. Em 2008, um mês, um livro, desde julho
Sábado, 31 de Março de 2012
Toalha de mesa manchada

Uma toalha de mesa

sem manchas de vinho

É um porre sem embriaguês!

 

É a vida limpa

Aborrecida,

Sem fado,

Sem samba.

 

Sem choro,

Sem risos,

É o formal,

O porre,

O demais.

 

Afinal, não é?

Melhor ele velho,

Rasgado mas bem cozido,

Que o terno novo,

Numa alma velha,

e cansada de não sorrir.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 19:17
link do post | comentar | favorito

Sábado, 24 de Março de 2012
Barulho I

(em homenagem ao bar do Barroco, rua Direita, Ouro preto, Brasil.) 

 

 

Desenhar é como poesia:

fotografar por partes,

Cada pedacinho.

Se não fosse assim,

poetizando as paredes do barroco com meu lápis,

Nunca veria ali,

num canto, inútil,

aquele velho telefone público,

em meio a tanto barulho.

 

Afinal, aqui, calam-se pessoas,

gritam as paredes.

Falam as paredes,

lhe dizem mais, as pessoas.

Aqui, tudo grita,

mas é esquisito

(falado não como nós, mas como belo, diriam portugueses)

como pode ser tranquilo.

É esquisito

(falado como nós, mesmo estranho, estranho demais),

aqui, querer sair daqui,

mesmo que via um orelhão de parede.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 03:26
link do post | comentar | favorito

Barulho II

 

 

No silêncio se encontra a mais impressionante felicidade.

Mas só no silêncio de não falar.

 

É um processo,

Duro,

conquistado por Santo Inácio,

ensinado a poucos.

 

Eu aprendi na solidão de lugares apinhados.

 

Me basta papel,

Tempo,

Cerveja,

Panamá,

Mercado Central,

Barroco,

Maleta.

 

Cala-se a si mesmo por dentro

ao olhar,

e ao desenhar.

(com linhas, com letras).

 

Em pouco,

aos poucos,

Se instala o mais súbito,

Notável,

Belo,

 

Silêncio.

 

De dentro dele, sei

(não escuto, sei)

Do trânsito na rua à frente,

Da quebradeira na loja em reforma,

Das diversas mesas atrás

(sim, por alguma razão sei mais do falar atrás e longe... estas famílias na minha frente, do que falam nada sei!)

 

São muitas vozes,

Separadas em umas seis conversas,

Mais outra lá dentro da cantina do Lucas.

 

E volto ao meu mais absoluto silêncio.

 

A quietude que se encontra

No fundo de uma floresta tropical ao meio dia;

Nos corredores de um sebo perfumado com tantas páginas velhas,

seus fungos,

tintas,

poeiras e papel;

E no poço recolhido,

Amoroso, quente e

Estranhamente iluminado,

Hora de rosa,

Hora de verde,

Hora de vermelho,

Azul,

e amarelo,

Da minha alma macumbeira.

 

Nota amorosa – dizem que os mais belos casais sabem gozar profundos momentos em silêncio-acompanhado. Sabem estar em si, no conforto do outro, não saem de si, para alguém perturbar com suas faltas e frustrações, não se completam, são, aos pedaços, juntos.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 03:16
link do post | comentar | favorito

O café e a escaladora (um poema em outro poema)

Por que não faz um poema sobre isto?

Pergunta que me faz pensar...

então já os terá lido?

Espuma bege em calda marrom...

Afinal, por que não?

 

“Espuma bege em calda marrom,

Se faz em manchas que se vão e vem.

Não as desenho, pois delas só quero aroma,

Não as cultivo, pois delas só quero o que me lembram.

 

Cobrem a calda preta, dona do Buquet,

variado, rico, sempre o mesmo na confusão de tudo que é.

Se faz assim, melando o pó em calda na água quente,

Sem nunca ferver.

 

Se faz assim,

filtrando em pano,

que deixa passar todo gosto,

que faz escapar todo cheiro.”

 

Um dia ansiosa do chão,

Prendi-a no alto de uma escada.

Acalmada da sua ânsia de subir,

Pedi-lhe que prestasse atenção.

Olhasse, escutasse.

Sentisse e gostasse.

 

De pouco a pouco,

quis tanto que quis voltar.

De mais um pouco,

era hora de ser dona de suas rotas,

De suas árvores,

do “me superar”.

 

Plantei de novo nesta floresta, um escalador na alma de alguém.

 

Desta vez mulher,

forte e doce,

liberta e presa,

perfeita assim!

Solta para subir sem o desprendimento do cair!

Perfeita assim,

capaz de encantar,

mas forte para prosseguir.

 

Firme para virar,

torcer, sujar... amostrar!

E descer salva,

Descer feliz.

 

No chão, gostou da espuma de meu café e mais de você, Alice me fez gostar.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 02:31
link do post | comentar | favorito

O Poeta e o Biólogo, e o jardineiro
Copyscape
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
últimas poesias

49 completos

Poeminha para a Gabi ler ...

Ode à barata latino-ameri...

Despoema

Laura 1.5

HECATOMBE

Feiurinhas de Ana Beatriz

Em tempos de....

Medos trocados

O Maneta

Dias brancos

Diferentes coisas

Caixa de passarinhos

O que foi?

Fragmento de um poema esc...

Poema resposta: a uma lei...

Diálogo com o destruidor ...

A senda, a folga e a vida

Verdade

Mundinho Cão

O amor, a explicação defi...

De boca

Ela, ele

DETOX

O surgimento do xingament...

Livros e retalhos

Julho 2016

Junho 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

pesquisar
 
links
subscrever feeds