Jardins de Palavras em canteiros de versos a cerca de eiras de prosa. Em 2008, um mês, um livro, desde julho
Domingo, 26 de Fevereiro de 2012
UMA SEMANA ATOA EM LISBOA - RE-EDIÇÃO ILUSTRADA

Parte dos Poemas são escritos e rabiscados.

Para estes, fiz uma seleção vinda do livreto

"Uma semana atoa em Lisboa"

e re-apresento com os rabiscos originais. 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 01:37
link do post | comentar | favorito

Toiradas de rua açoriana

 

Correm soltos, uns pequenos,

outros, muito grandes.

Estranho e desagradável assim,

visto nos vídeos de todas as lojas.

 

Pessoas arremessadas,

pisadas,

chifradas, e

Toiros, inocentes,

atormentados...

Soa mesmo mal.

 

Mas soa mal tanto daquilo

do que não entendemos.

O medo de se perder,

misturado à vontade

descontrolada de ir!

 

Soa estranho, mas quem já esteve lá,

sabe como é maravilhoso.

Tem tudo, casa, abrigo, família, amor e

não troca por nada.

Tudo largaria (o mundo todo)

para ser só o que já tem...

Mas ainda assim, segue partindo.

 

E vou largando aos poucos este partir,

para querer ser o velhinho

com muita estória e dinheiro,

Casa e tempo para os netos.

 

E vou levando as estórias que ainda construo,

e O Eu, que somente quando só e longe,

entendo e encontro tão escandalosamente.

 

O súbito encontro

com o rosto negro

de olhos pequenos e nervosos

de um toiro que sobe a rua e te avista,

é como encontrar de frente com a própria vida,

amá-la,

e fugir para a segurança da integridade de seus ossos.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 01:35
link do post | comentar | favorito

Pastelaria A Baiana

Casal punk, ao meu lado.

Sem charme, sem emprego.

Velhotas à frente.

Uma, papa natas, bem mal,

a outra, muito bem,

e à mandar!

 

Numa esquina da Avenida Liberdade,

começo a fotografar com a caneta!

 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 01:33
link do post | comentar | favorito

Nada mais

 

Minha mão, por tanto tempo, e só.

Nada mais para ver... garçom!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 01:29
link do post | comentar | favorito

Saramago

Enquanto ardiam seu corpo,

Também em Lisboa,

Dormia o meu.

 

Poucas flores,

Poucos populares,

Bem... menos que merecia,

Pouco mesmo!

 

Mas, afinal, no que criu,

também morreu.

Da revolução comunista,

é incrível, mas só sobrou o pior:

Pães ruins e iguais,

Eucalipto em lugar de florestas.

 

Nas cincas de suas dívidas,

vitimados pela sua sedução

ao dinheiro que os faz reféns,

portugas recebem as de Saramago.

 

Saramago voltou!

Mas logo agora,

Que ele mesmo dizia,

Não está mais lá!

 

(acordei com o batalhão de choque passando à minha janela, mas logo
depois, nem os soldados lembraram mais).

 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 01:27
link do post | comentar | favorito

A mais feia do mundo!

Nasceu assim.

Ninguém ajudou.

É que feia de tanto como é,

sempre daria,

dava para ajudar!

 

Porém, de novo,

como há anos antes,

quando a suprema feiúra

me atravessou uma rua,

A beleza fez-se, sei lá como,

presente.

 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 01:25
link do post | comentar | favorito

O melhor pai de Lisboa

Eu o vi antes.

Faziam bagunça,

seus filhos,

Em uma loja de roupa.

 

Na rua,

Subiu nas costas de um negão,

Para salvar aos putos,

Um bonequinho de grudar.

 

Sua aparência,

Mais mon oncle que papai...

Era adorado,

e todos aplaudiam.

 

 

Logo aqui, que não gostam tanto de criança!

 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 01:23
link do post | comentar | favorito

Timing

Bacalhau grelhado,

Futebol,

Carecas,

Origem, a vaga origem...

 

O que uniria tão diferentes?

 

A mera, pura,

efemeridade de um curtíssimo convívio.

 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 01:21
link do post | comentar | favorito

A Ala dos Namorados

Levei anos querendo te pedir perdão

e, finalmente,

eu consegui te perdoar.

 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 01:17
link do post | comentar | favorito

Domingo, 19 de Fevereiro de 2012
Porcos carnavalescos

Pegue um domingo de carnaval, de manhã.

Quatro porquinhos de pelúcia,

Dois pequenos como um pulso fechado,

Um médio, corcundinha para ajudar na aerodinâmica,

Um grande, de perna aberta, para dificultar.

 

Junte uma criança de oito anos, vestidinho azul,

Com preguinhas, de preferência.

Jogue um porquinho apenas, até perder.

Perdido, quem deixou imita um, o outro,

aprova.

 

Jogue com dois, comece com os dois pequenos,

E jogue, arremesse, arremesse, jogue.

Atira, atira de volta, vai, e volta,

Até ficar na memória, porquinho que voa.

Afinal, Pigs can fly!

 

A cada erro, um porquinho se imita,

Um porquinho se soma.

Jogue assim,

Até esquecer quem é!

 

Jogue até lembrar,

Como é bom esquecer!

Como é bom se largar!

Talvez melhor não fosse,

porém, complicar.

 

Deixe de fora o buldog branco,

Mesmo bobão, assim avoado como é,

Mais cedo, mais tarde...

O porquinho ele vai mastigar!

 

Lavem bem a todos com sabão de coco.

Dependure com pregador de roupa de madeira,

dos antigos.

Mas dependure pelas orelhas, para pingarem pelos traseiros mastigados.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 21:58
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 3 de Fevereiro de 2012
Plantas e muros

As plantas não entendem os muros.

Meu mamoeiro destruiu a cerca elétrica do vizinho.

Banhou seus fios maus de mamões verdes, mártires.

Mas o chorão do vizinho,

Chora em meu telhado,

Dia pós dia.

 

Nós, civilizadamente,

Ignoramo-nos,

Respeitosos às vontades de nossas plantas.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 00:13
link do post | comentar | favorito

O Poeta e o Biólogo, e o jardineiro
últimas poesias

49 completos

Poeminha para a Gabi ler ...

Ode à barata latino-ameri...

Despoema

Laura 1.5

HECATOMBE

Feiurinhas de Ana Beatriz

Em tempos de....

Medos trocados

O Maneta

Dias brancos

Diferentes coisas

Caixa de passarinhos

O que foi?

Fragmento de um poema esc...

Poema resposta: a uma lei...

Diálogo com o destruidor ...

A senda, a folga e a vida

Verdade

Mundinho Cão

O amor, a explicação defi...

De boca

Ela, ele

DETOX

O surgimento do xingament...

Livros e retalhos

Julho 2016

Junho 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

pesquisar
 
links
subscrever feeds