Jardins de Palavras em canteiros de versos a cerca de eiras de prosa. Em 2008, um mês, um livro, desde julho
Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2011
Leite de Lobas

O amor e o leite das lobas são iguais.

São, ao menos, semelhantes.

Nutrem aquilo que nasce nos seres,

E os muda para sempre!

 

Surgem da mudança do corpo,

Que de corpo vira alimento.

Que se dá ao limite da sede do ser amado.

Porém, empedra quando este, saciado.

 

É o lado de lá, do amor não correspondido.

Do que se junta, e não se tem para quem dar.

Dói. Dói por dentro, seca, e faz o peito, pedra.

Rijo e triste, só tem uma cura: amolecer,

ou virar ódio e fagocitar-se!

 

Se amolece, porém, sem controle,

Amor retido, amor ainda é,

Jorra!

Então como um seio farto, jorra amor,

para que tanta sentimentalidade nunca endureça por dentro.

 

O amor jorra então como for.

Um poema que brota entre as mãos no volante,

preso ao engarrafamento.

Um olhar paciente, amoroso, para alguém que se atende.

Uma calma ao ajudar,

Um paz ao explicar a quem te machuca,

e mais ao fazer surgir o arrepender.

 

Mesmo assim, o leite não surgiu por amor a nenhuma destas pessoas.

Mesmo assim! Leite é sempre alimento!

Amor, sempre amor!

Se acariciado, buscado, querido, jorrará.

Negado, vai secar, endurecer e doer, matar.

 

Posso querer doá-lo, loba sem rebentos,

Mas sem bebês para mamá-lo, não sai,

Sem quem dele precisa, não liquidifica,

Sem a fome de ser amada,

não haverá o nutrir do amá-la, meu amor.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 00:07
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 20 de Dezembro de 2011
A sanidade do mundo e duas mulheres ao pé de uma árvore

Um senhora elegante,

sentada ao pé de uma árvore condenada pela ignorância,

pela estupidez.

 

Uma senhora dos índios,

sóbria e elegante,

representava ali a sanidade do mundo.

 

Uma mulher furiosa,

ainda assim, Yoguin,

ao gritos pela mesma árvore.

 

Um mulher dona de si,

das certezas de tudo errado,

ali, às lágrimas, representou tudo de certo.

 

Quando mulheres assim pedem sensatez,

As gentes mais estúpidas param, escutam,

E acatam. E a árvore viverá.

 

Representaram para mim, a mais simples e bela esperança.

Para Leda Lima leonel e Isabel Nunes,

em profundo agradecimento,

por trasbordarem em um gesto,

a sanidade do mundo!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 00:46
link do post | comentar | favorito

O Poeta e o Biólogo, e o jardineiro
últimas poesias

49 completos

Poeminha para a Gabi ler ...

Ode à barata latino-ameri...

Despoema

Laura 1.5

HECATOMBE

Feiurinhas de Ana Beatriz

Em tempos de....

Medos trocados

O Maneta

Dias brancos

Diferentes coisas

Caixa de passarinhos

O que foi?

Fragmento de um poema esc...

Poema resposta: a uma lei...

Diálogo com o destruidor ...

A senda, a folga e a vida

Verdade

Mundinho Cão

O amor, a explicação defi...

De boca

Ela, ele

DETOX

O surgimento do xingament...

Livros e retalhos

Julho 2016

Junho 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

pesquisar
 
links
subscrever feeds