Jardins de Palavras em canteiros de versos a cerca de eiras de prosa. Em 2008, um mês, um livro, desde julho
Domingo, 31 de Outubro de 2010
Este é muito melhor que os meus, e nem era para ser poesia.

“Sozinho, o comandante apagou as luzes da sala. Preferiria não ter matado Dorothy, não havê-la enterrado naquele porto sujo, batido de febre. Bem, podia tê-la desembarcado em terra mais civilizada, mas como pode terminar um amor assim ávido e total, senão com a morte? Andando pelo corredor, que uma réstia de luz iluminava, revia a inquieta e angustiada Dorothy, com seus pés descalços no tombadilho! - , os seios em oferenda a romper o decote da camisa, a boca sequiosa, o ventre em febre e uma brasa ardente.”

 

Jorge Amado, Os velhos marinheiros.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 16:49
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 20 de Outubro de 2010
Gatinha no telhado

Passa Miú,

Passa Bibi.

Posso ir no telhado?

Ainda me lembro de cada telha,

de onde quebram, o que se vê de lá...

 

Uma juventude nas telhas,

ia ali fazer fazer ginástica!

Como podia dizer não?

Foi, seguiu minhas dicas,

E voltou depois de brigar com o gato.

 

Agora veio de novo.

Sentou na beiradinha,

Ali ficou olhando tudo que eu sempre vi.

Pouquinho, bem pouquinho depois...

No telhado, olhando tudo, eram dois!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 20:03
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 8 de Outubro de 2010
A bruxa safada e a fonética

“Esta é a bruxa safada”.

“Qual?”

“Esta. Esta é a bruxa safada!”

 

Desesperei! Que livros damos aos filhos?

O que faria uma bruxa, para além de bruxa,

Ser safada?

 

E a que cabe uma criança de 10 anos ensinar a uma de sete,

qual é a safada?

Afinal, safada por quê?

 

Enfim, cheguei perto.

Espiei, escutei... descobri!

Afinal, agora sei qual e’ a bruxa,

Qual é a fada.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 02:09
link do post | comentar | favorito

Psiu, você!

Você,

Que está me lendo,

Quieta, em segredo. Segredo, ha!

Claro que não! Sei de tudo.

É você! Pode ler, leia tudo.

 

Leia cada coisa, detalhe, absurdo.

Leia, mas não ame, não apaixone,

Não se engane.

Não sofra nem ria.

 

Ei! Você! Leia-me mas saiba,

Não pode me ver aqui.

Só me ler. Leia tudo.

Mas não ache que me vê.

 

Não me mostro, nem aqui,

Nem lugar nenhum

Nem um é o número,

Quem de mim sabe?

 

Ninguém, nem quem acha...

O que de novo fiz, mostrei,

Tornei, só sabe deste... este.

Sabem aquelas duas, há de fato,

as duas... Mas elas, sabem de tudo!

 

Elas, estão acima de todos,

De cada um, uma, cada coisa.

Mas não vão te contar nada.

Não contam nem a elas mesmas.

Elas sabem, pois elas são parte de mim.

 

Psiu! Você. Leia-me. Leia-me. Não vai nada entender.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 02:09
link do post | comentar | favorito

Bijus e a solução de seus problemas

 Tec tec tac tec tec tac

tec tec tac tec tec tac

Na sua cidade tinha disto?

 Tec tec tac tec tec tac

tec tec tac tec tec tac

 

 Tec tec tac tec tec tac

tec tec tac tec tec tac

Este barulho tec tac

acompanhou minha infância

 Tec tec tac tec tec tac

tec tec tac toda....

 

 Tec tec tac tec tec tac

tec tec tac tec tec tac

Saquinhos plásticos,

bijus enfileirados.

Devem ser uma delícia

devem ser diferentes,

devem ser especiais.

 

 Tec tec tac tec tec tac

tec tec tac tec tec tac

eu não sei.

 Tec tec tac tec tec tac

tec tec tac tec tec tac

Minha mãe e não comprava

 Tec tec tac tec tec tac.

tec tec tac tec tec tac.

 

 Tec tec tac tec tec tac

tec tec tac tec tec tac

mÔço ! Me  dá um biju ?

 Tec tec t...

Um biju que nunca comi.

 

Mas não eram nada que eu esperava,

Algo no fundo da minha alma, já sabia

(será que comi biju, não gostei e esqueci?)

Algo na memória é como se fossem piores.

Além de serem sujos, nos seus saquinhos.

Sabe lá quem, de onde vem?

 

Mas não, de fato, não...

São deliciosos, crocantes e leves,

Preenchíveis com doce de leite,

Bijus devem ser uma delícia, e devoramos.

 

As meninas, já conheciam bijus.

A mãe delas dá, e nós três,

Infantilizados pelo biju,

Um só adulto olhando, cuidando, e rindo de nós,

Também virou criança e quatro, comiam bijus.

 

Naquele momento, mundinho criança,

Sumiu-se tudo, e todos os problemas.

Ao conquistar o biju negado,

veio a mágica sensação de que, com

uma só e única mordida esfarelante,

Tudo se acabasse, ou nunca sequer tivesse acontecido.

 

Fui no tempo e voltei, saciado.

Uma vida nova, já todinha vivida, então começou.

Afinal, biju é bom mesmo, as meninas adoram,

Eu também, sempre adorei.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 02:09
link do post | comentar | favorito

Normais 3 vezes por semana

Pai, quando a gente está na casa da mamãe a gente vira normal.

O que é ser normal meu amor?

É comer carninha normal, arroz normal, verdura normal, feijão.

O não normal é comer macarrão com pesto, carninha temperada,

verdura diferente, tudo isto!

 

E você, gosta mais de ser o que?

Eu gosto de ser diferente.

Ai se soubesse, como é fácil,

fácil facinho, fazer um pai solteiro feliz!

 

Aos meus irrevogáveis grandes amores, Laura e Gabi, na poesia do viver cada simples segundo ao lado delas.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 02:09
link do post | comentar | favorito

O Poeta e o Biólogo, e o jardineiro
últimas poesias

49 completos

Poeminha para a Gabi ler ...

Ode à barata latino-ameri...

Despoema

Laura 1.5

HECATOMBE

Feiurinhas de Ana Beatriz

Em tempos de....

Medos trocados

O Maneta

Dias brancos

Diferentes coisas

Caixa de passarinhos

O que foi?

Fragmento de um poema esc...

Poema resposta: a uma lei...

Diálogo com o destruidor ...

A senda, a folga e a vida

Verdade

Mundinho Cão

O amor, a explicação defi...

De boca

Ela, ele

DETOX

O surgimento do xingament...

Livros e retalhos

Julho 2016

Junho 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

pesquisar
 
links
subscrever feeds