Jardins de Palavras em canteiros de versos a cerca de eiras de prosa. Em 2008, um mês, um livro, desde julho
Segunda-feira, 28 de Junho de 2010
Uma semana à toa em Lisboa - Amante ilha: O FIM

Deixo a triste Lisboa,

Como uma mulher mal-humorada,

Mal amada,

Mal amadurecida,

Esfria minha paixão com suas arrogantes mágoas.

 

Mas volto-me á minha campesina açoriana,

Aquelas ilhas-amantes,

Que nunca fizeram outra coisa que me fazer feliz.

 

Lembro-me sua brisa,

Infinito mar,

Rasgar das silvas à pele e

O cheiro de húmus no ar.

 

Lembro de sua doçura,

Sua calma, sua civilização esquecida.

Encho-me de sua gentileza, hoje presente e parte de tão longo isolar-se.

E o meu constante esperar de um dia ver uma baleia ainda do ar...



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 03:02
link do post | comentar | favorito

Uma semana à toa em Lisboa - Euclides e eu

Se eu fosse Euclides da Cunha,

Estaria morrendo este ano.

 

Mas melhor, bem melhor,

pois escolhi minhas mulheres

de maneira mais determinada:

larguei as que amei, e não prestaram.

E assim escapo do absurdo vexame de ser morto por um,

delas amantes.

 

Euclides nasceu 101 anos antes de mim.

Escreveu poemas.

Lutou contra seus ímpetos internos.

Apaixonou-se pelo sertão,

pelo setanejo,

e, afinal, pelo Acre!

 

Apaixonou-se pela evolução.

Tentava explicar o que era ruim no bugre,

À luz de Darwin.

 

Nos achou degenerados,

Depois, achou isto dos europeus,

e dos cariocas,

E viu nos bugres enfim os a serem bem selecionados!

 

Se fosse possível sentarmos de frente a um por do sol avermelhado,

destes por trás do cerrado,

onde não se visse ninguém,

nas celas de dois cavalos...

Falaríamos da “contradição extremada do ficar, ou partir”.

 

(depois eu ia lhe explicar a teoria da evolução direito, e porquê podemos abandonar a idéia de raça e que, se ele descesse do cavalo e fizesse  força com os bugres, comendo o que eles comem desde nascido, mas, e mais importante, se ele refletisse e pensasse menos sobre tudo, ia ficar igual  a um bugre branco... e tentaria lhe enfiar umas ideais mais sustentáveis sobre o convívio com a natureza.)



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 03:01
link do post | comentar | favorito

Uma semana à toa em Lisboa - Bin Laden e a partida

Ele não destruiu a civilização,

destruiu a civilidade, a gentileza e o respeito.

 

Ele não enfraqueceu o capitalismo ocidental,

fortaleceu!

 

Deu às Companhias aéreas, aeroportos e uma rede de outros ladrões,

o direito sobre o cidadão, masoquista, que paga os mais altos preços

para ser tratado como terrorista internacional logo de manhã.

 

Subjulgados à obrigação de usar aviões,

com linhas loteadas e sem competição real,

o capital só precisava dele, Binbin safado e colaboracionista,

para impor humilhação e roubo à luz do medo.

 

Para os portugueses que se fazem de burros e obtusos para serem abusadores e sem vergonha (bem, façamos justiça, os portugueses não! Os Lisboetas, pois ao menos nos Açores ainda sobrevive a delicadeza, paciência e respeito ao próximo), isto lhes caem ainda melhor!

 

Calmo, tomo café e assisto a tudo isto de longe.

Não me pegam de surpresa, e eu sei que tenho que estar aqui 3 horas antes do vôo, para ter tempo de escolher o abuso que menos incomoda.

 

Ou, claro, sempre pode-se viajar sem bagagem e pelado para que se passe ileso às regras e não te obriguem a se despir em público.

 

(horas depois de escrever isto, me pegam no embarque para correr atrás de uma mala minha parada na segurança por causa de um líquido de zippo esquecido no seu interior. Teria perdido o avião, eu, o primeiro passageiro a fazer o check-in, não fosse a gentileza na moça que me atendeu que, coincidência, viveu na Terceira, e quando soube que foi lá que eu deixei o líquido cair na bolsa, me salvou).



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 03:00
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 22 de Junho de 2010
Uma semana á toa em Lisboa - Mãos e Olhos

Se largasse minha mão,

 

o que ela escreveria?

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Minha mão não sabe escrever...

 

Então, larguei meus olhos.

                                                .

                                                .

                                                .

                                                .

                                                .

                                                .

Eles também não.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 17:49
link do post | comentar | favorito

Uma semana á toa em Lisboa - Amarelo

A sombra de um sol forte,

 

O amarelo se torna profundamente vivo e belo.

 

É o sol, parcial e tendencioso, brilhando até onde ele não alcança.

 

Brilha amarelo, e me embriague!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 17:48
link do post | comentar | favorito

Uma semana á toa em Lisboa - Petróleo – ligeiro desabafo

É incrível o tanto de História que eu aprendi lendo Tio Patinhas.

Talvez por ser, quando viajando, lembrei dele só de pensar neste tipo de absurdo: poderia um filme americano idiota dizer algo a alguém?

 

Muitos anos atrás ouvi em um destes que, quando se achava petróleo se para de cavar...

 

1989, 1993, 1995, 1998, 2000.

 

Formei, tornei-me mestre, mudei para Inglaterra, formei-me Ph.D. e voltei ao Brasil, virei pai.

 

Hoje, o que eu quero tem pouco a ver com o que eu me tornei. Mas, dei sorte, e me tornei o que eu quero ser, e ainda tenho o poder de mudar o rumo de como posso ser e, profundamente, acho que estou mais cansado que querendo mudar...

 

Não, claro que não, não se aprende nada com um filme americano idiota, e não se vive para cavar!

 

A vida não é mineração, é agricultura.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 17:46
link do post | comentar | favorito

Uma semana à toa em Lisboa - A Ala dos Namorados

Levei anos querendo te pedir perdão

e, finalmente,

eu consegui te perdoar.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 17:45
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 21 de Junho de 2010
Uma semana à toa em Lisboa - Igreja Menino de Deus

Quase em Alfama,

Fotografei uma irmã escondida.

 

Ela veio, conversou,

Fez-me minha amiga.

 

Depois, voltando por ali,

Entrei, e ela me mostrou seus 200 meninos pobres,

 

Abriu, iluminou a igreja,

Me deixou só, rezando.

 

Como eu choro quando estou aqui.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 19:58
link do post | comentar | favorito

Uma semana à toa em Lisboa - Portugal 4 (não, 5, não, 6, não 7!!) x Coreia 0

Tomei juízo e entrei num buteco,

Azulejado,

Ventilador no teto,

Naftalina no banheiro,

Eu, e todo o resto, portugueses almoçando. Acertei!

 

Melhor comida em dias,

Com sopa e jarra de vinho...

Aqui, sabido e entendido brasuca,

Mas não turista nem migrante,

Vi o 4º gol e pude gritar:

“- agora podem perder de nós com tranquilidade na quinta!”

E fiz amigos!

 

Com os novos amigos, não mais me sentindo um mal entendido

Brasileiro (viva o preconceito!)

falamos mal do Ronaldo,

falamos bem de nossos times,

disse não saber mesmo o que viria no próximo jogo,

diziam que o empate era o bastante!

 

Mais que isto, em duas semanas, finalmente me senti

profundamente

            verdadeiramente,

                                    Feliz.

Feliz por ser eu,

            Por ser como sou,

                                    Por aceitar o tempo que leva para entender porque ando tanto.

Enfim,

por adorar estes portugas, adorar os panamenhos, os franceses, os ingleses, nós mesmos, e ser feliz para cacete!

 

(ao final, Ronaldo equilibrou uma bola às costas, após atropeçar, ainda assim achou-a caindo ao seu lado direito, e chutou direto... gooooolo! Terminamos elogiando o malandro!).



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 19:56
link do post | comentar | favorito

Uma semana á toa em Lisboa - Sem barreiras

Uma oriental,

Um africano.

Dariam lindos filhos?

 

Mas não,

é uma brasileira,

e um americano.

 

Somos todos iguais,

disse o genoma sob tortura...

mas, acima de tudo...

 

Que casal chato para caralho!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 19:50
link do post | comentar | favorito

Domingo, 20 de Junho de 2010
Uma semana à toa em Lisboa - Timing

Bacalhau grelhado,

Futebol,

Carecas,

Origem, a vaga origem...

 

O que uniria tão diferentes?

 

A mera, pura,

efemeridade de um curtíssimo convívio.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 12:26
link do post | comentar | favorito

Uma semana à toa em Lisboa - O melhor pai de Lisboa

Eu o vi antes.

Faziam bagunça,

seus filhos,

Em uma loja de roupa.

 

Na rua,

Subiu nas costas de um negão,

Para salvar aos putos,

Um bonequinho de grudar.

 

Sua aparência,

Mais mon oncle que papai...

Era adorado,

e todos aplaudiam.

 

 

Logo aqui, que não gostam tanto de criança!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 12:25
link do post | comentar | favorito

Uma semana à toa em Lisboa - A mais feia do mundo!

Nasceu assim.

Ninguém ajudou.

É que feia de tanto como é,

sempre daria,

dava para ajudar!

 

Porém, de novo,

como há anos antes,

quando a suprema feiúra

me atravessou uma rua,

A beleza fez-se, sei lá como,

presente.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 12:24
link do post | comentar | favorito

Uma semana à toa em Lisboa - Saramago

Enquanto ardiam seu corpo,

Também em Lisboa,

Dormia o meu.

 

Poucas flores,

Poucos populares,

Bem... menos que merecia,

Pouco mesmo!

 

Mas, afinal, no que criu,

também morreu.

Da revolução comunista,

é incrível, mas só sobrou o pior:

Pães ruins e iguais,

Eucalipto em lugar de florestas.

 

Nas cincas de suas dívidas,

vitimados pela sua sedução

ao dinheiro que os faz reféns,

portugas recebem as de Saramago.

 

Saramago voltou!

Mas logo agora,

Que ele mesmo dizia,

Não está mais lá!

 

(acordei com o batalhão de choque passando à minha janela, mas logo depois, nem os soldados lembrarão mais).



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 12:22
link do post | comentar | favorito

Uma semana à toa em Lisboa - Nada Mais

Minha mão, por tanto tempo, e só.

Nada mais para ver... garçom!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 12:22
link do post | comentar | favorito

Uma semana à toa em Lisboa - Só

Falta você em cada coisa que vejo.

Falta o que eu gosto com você,

que gosto mais que o resto que eu gosto demais.

 

Falta você, Laura e Bibi,

emboladas em mim,

e nada mais falta tanto assim.

 

Para você, para elas, para mim,

Babi!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 12:21
link do post | comentar | favorito

Uma semana à toa em Lisboa - Pastelaria A Baiana

Casal punk, ao meu lado.

Sem charme, sem emprego.

Velhotas à frente.

Uma, papa natas, bem mal,

a outra, muito bem,

e à mandar!

 

Numa esquina da Avenida Liberdade,

começo a fotografar com a caneta!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 12:20
link do post | comentar | favorito

Uma semana à toa em Lisboa - Toiradas de rua açoreana

Correm soltos, uns pequenos,

outros, muito grandes.

Estranho e desagradável assim,

visto nos vídeos de todas as lojas.

 

Pessoas arremessadas,

pisadas,

chifradas, e

Toiros, inocentes,

atormentados...

Soa mesmo mal.

 

Mas soa mal tanto daquilo

do que não entendemos.

O medo de se perder,

misturado à vontade

descontrolada de ir!

 

Soa estranho, mas quem já esteve lá,

sabe como é maravilhoso.

Tem tudo, casa, abrigo, família, amor e

não troca por nada.

Tudo largaria (o mundo todo)

para ser só o que já tem...

Mas ainda assim, segue partindo.

 

E vou largando aos poucos este partir,

para querer ser o velhinho

com muita estória e dinheiro,

Casa e tempo para os netos.

 

E vou levando as estórias que ainda construo,

e O Eu, que somente quando só e longe,

entendo e encontro tão escandalosamente.

 

O súbito encontro

com o rosto negro

de olhos pequenos e nervosos

de um toiro que sobe a rua e te avista,

é como encontrar de frente com a própria vida,

amá-la,

e fugir para a segurança da integridade de seus ossos.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 12:19
link do post | comentar | favorito

Uma semana à toa em Lisboa - livreto de trás para frente

O quanto se escreve, vê e faz, se decide fazer nada? Em uma cidade de novo sacudida pela falta de esperança e futuro, agora barata, agora suja, surgem poemas, poemas e prosas.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 12:18
link do post | comentar | favorito

O Poeta e o Biólogo, e o jardineiro
últimas poesias

49 completos

Poeminha para a Gabi ler ...

Ode à barata latino-ameri...

Despoema

Laura 1.5

HECATOMBE

Feiurinhas de Ana Beatriz

Em tempos de....

Medos trocados

O Maneta

Dias brancos

Diferentes coisas

Caixa de passarinhos

O que foi?

Fragmento de um poema esc...

Poema resposta: a uma lei...

Diálogo com o destruidor ...

A senda, a folga e a vida

Verdade

Mundinho Cão

O amor, a explicação defi...

De boca

Ela, ele

DETOX

O surgimento do xingament...

Livros e retalhos

Julho 2016

Junho 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

pesquisar
 
links
subscrever feeds