Jardins de Palavras em canteiros de versos a cerca de eiras de prosa. Em 2008, um mês, um livro, desde julho
Terça-feira, 8 de Dezembro de 2009
SOFRER, sin. AMAR

 

Sabia, sabíamos.
Amante de Vinícius, em mim.
Do bruto poetinha,
Do real, homem, Xangô filho.
 
Que seja, que fosse, sabia,
Ia sofrer demais.
Sofrer era esperado, em parte,
Inevitável parte do amar deste tanto.
 
É tanto amor assim, que nos brutalizamos.
É um mundo onde não dá mais para amar.
Porque amar é grosseiro, incorreto, dramático,
Pedante ação em desespero, em completo e inesperado...
 
Ahh desespero, paixão sem rosca ou fim, sem limites,
calão, decência, moral. Paixão em porrada e choro,
Tão deselegante amor, que faz sangrar o cancro do sofrimento.
Amando, vexamosamente, não dá para prender esta dor.
 
Ela sangra, ela drena, ela escorre, e some, depurando em vexame,
O amor.
Amado amor, sem forma, cor, cheiro, vira os piores odores,
Antes de se tornar...
todas as flores.
 
Inevitável sofrer, dor que cura tudo, que envergonha os contidos,
Os que sofreram sem amar, os que sofrem por nunca amar.
Sofrer que passa e deixa corajosos corações,
Deixa sobreviver na serenidade da varanda de uma tarde,
 
Uma vida com cara de tarde na varanda.
Samambaia, balanço, brisa, enfim,
a paz de ter amado tanto que se sabe, agora basta...
Amar para sempre.


publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 22:22
link do post | comentar | favorito

A rosa

Por mais difícil que fosse,

Saint Exupéry mandou buscá-la.

A tua, nem é tão assim, é só uma Rosa.

Única, e a única minha rosa.

 

Mas rosas murcham fácil,

e assim, murchas, magoam

o jardineiro que, culpado,

só resta, como a Antoine,

 

Cair. Nenhum grande piloto pode sofrer seis acidentes antes de morrer no último? Pode, mas no fundo, acho que ele se atirava lá de cima, em desespero.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 10:18
link do post | comentar | favorito

O Poeta e o Biólogo, e o jardineiro
últimas poesias

49 completos

Poeminha para a Gabi ler ...

Ode à barata latino-ameri...

Despoema

Laura 1.5

HECATOMBE

Feiurinhas de Ana Beatriz

Em tempos de....

Medos trocados

O Maneta

Dias brancos

Diferentes coisas

Caixa de passarinhos

O que foi?

Fragmento de um poema esc...

Poema resposta: a uma lei...

Diálogo com o destruidor ...

A senda, a folga e a vida

Verdade

Mundinho Cão

O amor, a explicação defi...

De boca

Ela, ele

DETOX

O surgimento do xingament...

Livros e retalhos

Julho 2016

Junho 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

pesquisar
 
links
subscrever feeds