Jardins de Palavras em canteiros de versos a cerca de eiras de prosa. Em 2008, um mês, um livro, desde julho
Quarta-feira, 22 de Julho de 2009
Soltos 19 - O livreiro na calçada

"Pega na página 91,

Das mulheres, velhas e novas.

Veja como a tradução está melhor."

na porta do cinema de Ouro Preto,

muleta e irreverência, alegria e uma história,

escondida, ao menos de mim.

 

Livreiro de rua, trechos decorados de

Assim falou Zaratrusta, que afinal, comprei.

Uma cigarrilha, um poema recitado de lá,

um lido de cá. E minha alma, alí, na rua,

lida também.

"Lê devagar! Põe vida e não ache que isto vale alguma coisa".

 

Dalí, da leitura, me entendeu, como eu mesmo não queria.

Duro e seco, concluiu: "você está perdido, vá se benzer."

Fui beber, no melhor bar, por ser o pior, achei amigos, falei da vida,

falei de mim, falei deles, entrei alí dentro.

Em parte, estava perdido por estar de fora.

Agora, só falta benzer.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 16:00
link do post | comentar | favorito

Soltos 18 - A chuva

Uma gota de chuva cai,

Acelera-se e se deforma,

achata-se por completo,

Se demora a bater no chão

(e elas demoram),

São apertadas e tanto, tanto,

Quem ia imaginar....?

Explodem.

 

E da chuva, chuvículos caem.

São chuvículos que recebemos,

das gotas grandes, que se espatifam no ar.

É, porque grandes, aqui, é bem pequeno.

E tão pequeno assim, batem com força,

no duro e sólido, ar.

Deu na Nature, foi capa.

A chuva, e seus chuvículos.

 

Um dia, quando voltar a chover, no sopé da escada, filha no colo, explico a chuva em detalhes. Só para ver os olhinhos dela brilhando, e para brilhar com ela, os meus também. A chuva, afinal, é mais que gotas. A ciência afinal, é muito mais, bem mais, que só o saber.

 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 00:42
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 21 de Julho de 2009
Soltos 17 - E um fusca ultrapassou uma variante.

 

É cedo, manhã, 040, caminho para o Rio.
Caminho antigo, fiz a infância toda.
Mas, agora, 40 e tantos, combina com 040.
Tempos novos, passado encerrado,
enfim, o caminho escolhido, e
seguido feliz...
de súbito, é interrompido.
 
Um fusca branco, em alta velocidade,
Avança,
certo e soberano de sua tecnologia superior.
Infalível,
Implacável,
Ultrapassa a variante, bege claro, lenta,
Pesada, fracassada.
Afinal, é só uma variante de um carro.
 
E esta variante de uma cena tão antiga,
Tão morta, enterrada, sem sentido se alguém olhasse,
Se alguém insensível visse envolta:
havia tantas máquinas mais rápidas.
Mas, lá, no meio, quase parados, disputavam seu triunfo sem fim.
Sobraram no tempo, e não encerraram suas diferenças, ou igualdades.
Ninguém via.
Ninguém tão lento, mas estavam lá,
mortos em movimento.
 
E, se afinal censurar o que escrevi,
Poupar a quem tolamente vier ler-me,
Livrá-los de meu confessionário,
Ainda diria....
 
Não se esqueçam, se leitores houverem, e se homens forem,
E se forem jovens, e não tiverem tido pais floristas que os ajudaram
a escolher seus amores:
Se mulher não enlouquece, piora... né Lacan?...
mulher também não cura, melhora.
E, melhores, não precisarão de você, se vestido de bombeiro vier,
Seu babaca.

 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 02:00
link do post | comentar | favorito

Sábado, 11 de Julho de 2009
soltos 16 - Nada

Silêncio,

Trabalho,

Pensamento,

Nem, quase nem , rezas....

Trabalho,

Trabalho,

poemas, nenhum.

 

Fazer poesia da falta de poesia....

picaretagem, desenhada em letras,

soltas, bestas, vadias.

Vamos fingir, vamos escrever...

Vamos cuspir letras, sem nada sentir....?

 

Será que não? Estarei drenando,

sangrando o grosso sangue poético, retido,

entupindo as veias, matando o amor,

enfartando a vida?

Que seja, que doe, que respire. Um dia, volto.

 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 18:03
link do post | comentar | favorito

O Poeta e o Biólogo, e o jardineiro
últimas poesias

49 completos

Poeminha para a Gabi ler ...

Ode à barata latino-ameri...

Despoema

Laura 1.5

HECATOMBE

Feiurinhas de Ana Beatriz

Em tempos de....

Medos trocados

O Maneta

Dias brancos

Diferentes coisas

Caixa de passarinhos

O que foi?

Fragmento de um poema esc...

Poema resposta: a uma lei...

Diálogo com o destruidor ...

A senda, a folga e a vida

Verdade

Mundinho Cão

O amor, a explicação defi...

De boca

Ela, ele

DETOX

O surgimento do xingament...

Livros e retalhos

Julho 2016

Junho 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

pesquisar
 
links
subscrever feeds