Jardins de Palavras em canteiros de versos a cerca de eiras de prosa. Em 2008, um mês, um livro, desde julho
Terça-feira, 5 de Julho de 2016
49 completos

Perdemos sempre um ano.

O dia seguinte, o primeiro que se inicia.

49 completos, segunda, na terça, já é 50.

 

Sem grande festa, até terminar.

Lento, cada vez menos lento.

Porém, também, daqui para frente, corra.

O que não foi, atropele.

 

Deixa morrer, que nada agonize.

Doar o inútil guardado,

Limpar o sótão e o jardim para a primavera.

 

Deixar morrer, pois afinal,

Nasci no solstício da transformação.

E só se transforma uma casca em planta,

Se da casca tudo se decompor.

 

Sem dó, até o fim,

Transformada a casca em solo,

acaba-se de cavar as masmorras,

onde se enterrará

o que não é

para ser.

                                                                        

Feitas as masmorras,

Levantam-se os Templos.

Às virtudes, o céu pleno.

Nas sacadas das melhores qualidades, flor.

O solo feito dos piores defeitos.

 

A água, que primeiro sejam lágrimas.

Mas água é água.

Ramalhetes que rodem as colunas de seu Templo.

Floresçam e morram as flores, renasçam e tudo de novo.

São flores do ramalhete do “para sempre”.

 

Até porque, o sempre já está logo ali.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 21:51
link do post | comentar | favorito

Domingo, 26 de Junho de 2016
Poeminha para a Gabi ler de surpresa

Jornal da vovó,

                    Tão amada vovó.

 

Vou abrir e ler,

                    Cada coisa eu vou.

 

Papai nem abre!

                    (abre sim, ela não sabe)

Eu leio e espalho.

 

A história da vovó escritora,

                    Um dia vai ser minha!

 

Mas agora, não escrevo,

                    Leio o que fizeram... para mim?

 

Sim! Amanhã, poesia eu faço.

                    Hoje, o Poema sou eu!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 21:48
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2016
Ode à barata latino-americana

O que seríamos de nós,

Homens tropicais?

Lerdos, moles, preguiçosos,

Meio, ou totalmente, alcoólatras?

Malemolentos, ou só lentos?

 

Enfim,

Nós, inúteis vermes do calor,

Senhores do que nada mandamos,

Reis sem trono, coroa, ou sei lá,

(nunca tivemos o que têm os outros reis para sabermos o que teríamos).

 

O que seríamos?

Nada, não fosse tu, ò barata!

Obrigado barata, fazedora de mim, herói!

Criadora em mim,

Homem de vigor, fibra e valor!

 

Ò barata! Te amamos!

Só não amamos mais que as mulheres,

Filhas, esposas, mães e irmãs,

Que, vocês, baratas lindas,

fazem delas nossos amores!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 14:15
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 20 de Agosto de 2015
Despoema

Mataram meu poema.

Quem? Não sei.

A dura vida, a vida amarga?

Mataram. Não sai, não vem.

 

Mas vem, renasce, fodido.

Ferrado, mordido, malhado.

Renasce. Ruim, fraco, frouxo.

Isto sempre foi. E morrer não o melhora.

 

Morra, e volta. E fodas quem matou.

Volta nervoso, palavrudo deseducado.

Que volte, se acalma,  calmo, vai continuar.

Morre e volta, não é carne, não é matéria.

 

A ideia, a dor, o viver, o morrer,

Tudo isto alimenta a mão nervosa.

Nervosa mão que escreve, agride.

Palavras são violência, mas querem ser amor.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 01:39
link do post | comentar | favorito (1)

Sábado, 9 de Maio de 2015
Laura 1.5

Se quase tudo de errado eu fizesse,

Tem ela, que mais do que certa,

Bela,

Sensível,  

e brilhante,

É o que de certo eu fiz.

 

Fiz ao menos a metade?

Não, fiz sua infância inteira, de cabo a rabo.

Fiz, como todos, só o que pude, mas como poucos,

chorei cada pouquinho que não pude.

 

Não que tudo devesse dar,

Mas toda certeza,

de não tudo poder,

de que tudo, nunca terá.

 

Não que tudo a mim se deva,

Como de fato, quase nada se deve.

Só fiz tudo que é o amar sem limites.

sem retorno, sem espera, sem igual.

 

E foi querendo nada para mim,

se não que tudo ela tivesse,

que tudo para mim, eu tive:

o sorriso de Laura, quando não, uma rosnadinha.

 

Nada menos que seu jeitinho decidido,

Nada menos que a Laura que sabe,

Mas não quer pedir. Mas sabe desculpas,

Sabe aceitar, e mostrar seu amor.

  

Nada senão a Laura que tanto bem quer a todos,

E para poucos guarda a paciência,

na proporção que dá afeto e querer.

Nada senão elazinha, já feita, já gente.

 

Adulta pequena, me faz ter orgulho,

Me faz melhor quando me sinto dos piores,

Me faz melhor até quando sou dos piores,

Me melhora, e me desmancha, com um mero...

 

- “Papaizinho!? Se fôssemos tatus bolinhas,

todos nossos problemas estariam resolvidos”,

fazendo aquela carinha de ter feito a única descoberta importante no universo, que tanto me tranquiliza.

 

Laura meu amor, em dois dias, 15. Que 15 seja muito menos que tudo que a vida te dê, já que dela, da vida, você já muito mais merece ter!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 20:18
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 9 de Janeiro de 2015
HECATOMBE

A poesia explode em tudo que há em volta,

quando uma mulher se vai...

ouvi hoje de Ferreira Gullar.

 

Mas a poesia hecatombe tudo que não deveria haver em volta,

quando uma mulher espetacular acontecesse...

 

E cá tombemos tudo que não serve mais... pois se há tal mulher,

a noite precisa de amor, e o mundo, de poesia!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 02:05
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 26 de Novembro de 2014
Feiurinhas de Ana Beatriz

(Este é para Ana, mas não deixarei que fique só para ela)

 

Meu amor é tão linda que nem feiurinhas tem,

por mais que procure,

para chamar da coisa mais linda da mulher amada,

como fez Morais.

 

De tão linda que é... falar, sorrir e olhar,

nem noto ser brava.

De tão brava que fica... e sorri, fala e desarma,

Só noto que é linda.

 

É mesmo só linda. É Ana Beatriz.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 17:26
link do post | comentar | favorito

Sábado, 1 de Novembro de 2014
Em tempos de....

Amor em tempos de ebola...

Será tão melancólico,

como foi em tempos de cólera?

 

Não, meu amor, ele não foi,

ou não o foi pelo cólera.

Melancólica foi a falta, mas não do amar.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 23:08
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 31 de Outubro de 2014
Medos trocados

Estou cansado de mim.

Melhor, de meus medos.

Quais são os seus? Empreste-os!

Quero temer coisas tolas.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 07:07
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 27 de Outubro de 2014
O Maneta

Um dia acordastes manco.

Mas foi por ter tido a ilusão das duas pernas.

Caído na realidade da dor de mancar, mancastes.

 

Seguistes a vida subserviente aos fatos.

Não há duas pernas.

Não há como correr e o que achou ter corrido,

 

Ilusão.

 

Passou o tempo e um dia,

Acordastes com asas.

Nunca mais precisou da perna que lhe sobrou.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 14:35
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 13 de Outubro de 2014
Dias brancos

O amor pode crescer no desolo de dias brancos.

Dias quentes, secos, sem chuva e com medo.

Dias brancos, sem nuvens, onde o azul não tem força para vir.

 

O amor pode surgir do medo da falta de amor.

Pode surgir do susto do que se escuta.

Pode sair do esforço de aceitar cada estória.

 

Os dias brancos são como os anos de cólera.

Pedem abraços e acalentos.

Pedem que o amor brote de onde for.

 

E amor brota. Brota das carapaças do medo.

Racha o chão seco e transborda.

Inunda a relva seca de qualquer coração.

 

O amor... brota onde nem se imagina que ele exista.

Molha a terra seca, a água, como ele faz com as rudezas das almas.

Almas não se lavam, se molham, e molhadas, amam.

 

Mesmo se, após a água passar, de lá nada brote.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 04:27
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 2 de Outubro de 2014
Diferentes coisas

 - É outra coisa.

 - É a mesma coisa.

 - Não, é outra coisa,

e é completamente diferente.

 

 - Disse isto antes, e era a mesma coisa.

 

 - Mas a coisa agora é outra!

Bobear, nem coisa seja.

Seja algo melhor que qualquer coisa.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 22:15
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 30 de Setembro de 2014
Caixa de passarinhos

O sofrimento é como um passarinho.

Quando muito atormenta, se pega com a mão!

Na mão, quente e atenciosa, que a ele se dedica,

Ele se cala. Então se joga este passarinho, sem dó nenhuma,

Na caixa dos passarinhos sofridos.

 

A cada novo passarinho que ali se joga, a caixa se agita.

Todos gritam, berram e te lembram que lá eles vivem.

Safados passarinhos, porém se largados, calam-se.

Uma caixa de passarinhos largados se aquieta, sossega.

Nada mais dela se saberá.

 

Assim em paz, dela se larga, esquece,

E assim, largada, num canto, um dia, claro, será chutada.

Chutada pela imprudência de se permitir novas passarinhagens.

De se esquecer toda aquela barulheira, anda-se livre, chuta- se a caixa.

Merda que quando a caixa desfaz, e todos voam,

 

nunca se tem uma espingarda.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 05:10
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 24 de Setembro de 2014
O que foi?

Não deve ser nada.

Indigestão, intoxicação.

 

Não deve ser nada.

Princípio de enfarte, angústia.

 

Não deve ser nada.

Vontade, desejo.

 

Não deve ser lonjuras,

Não deve ser saudades,

Não deve ser poemas,

Tão pouco, deve ser paixão.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 14:23
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 18 de Setembro de 2014
Fragmento de um poema escondido

O cafajeste é majestade, é dono de si e seu amar sem fim,

sem limites, ou regras. Só amar.

É fonte sem fim de galanteios e reconhecimentos, e eterna adoração.

O cafajeste te vê onde eras invisível!

Bambeia por ti, onde tu não és, ou não sabias ser...

ele te vê rasgada e molambenta, por trás das vestes, acha sua alma,

na sua alma, lá dentro, idolatra seu corpo, cada defeitinho,

cada perfeição.

 

Não maltrate seu cafajeste!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 05:17
link do post | comentar | favorito

Poema resposta: a uma leitora

- Por que escreves tantas melancolias?

 

Porque elas me invadem.

Ao escrevê-las, eu as expulso.

Ao virarem letras, contra o branco papel,

Não mais me pertencem.

 

Pertencem a ti, que as leu.

 

Enquanto as digere,

recém cuspidas de mim,

eu vivo alegrias indescritíveis,

 que raramente lerás.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 05:06
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 17 de Setembro de 2014
Diálogo com o destruidor de sonhos

Um fusca

Um bulldog

Um caminhão!

Uma casa na Pampulha,

Quintal com grama

Sonhos que destruí.

- Por que, não os queria?

 

Destruí porque os realizei.

Choquei-os com a realidade.

Os matei, ou eles, à luz do sol, tiveram seu brilho desfeito.

- Não há esperanças para os sonhos?

 

Há, os sonhados, e os bons.

- Como separar os bons dos ruins?

 

Só dá para saber, realizando-os,

Ma sempre sonhar é bom.

- Mas não temes?

 

Não, os destruo sem piedade,

Mas prefiro sabê-lo.

Os realizo, vivo, adoro, e desisto.

Deles lembrarei (só lembro se vivi),

E lembrarei os bons momentos. Às vezes, sofrerei seu fim!

- Então os mata e guarda deles o que houve de melhor?

 

Sim, melhor que o que fazem uns com os outros, as pessoas.

Porém, quando se deixa de ser sonhado por alguém,

Surge um homem livre. Melhor assim.

As pessoas não são desejos, mesmo desejadas.

Esquecidos, voltam a ser livres.

 

Cargas afetivas são engraçadas, como nuvens negras...

São óbvias, mas não pesam enquanto se formam.

- E a realidade? É dura?

 

Dura? São três turnos duros, como de costume.

No meio do terceiro, paro,

vejo um para casa, prepara outra para a cama, recebe um abraço-cavalinho,

um beijo na careca, e um “vai lá, trabalhar para nos sustentar”,

dito de uma forma tão cheia de gratidão e reconhecimento... e você, vai.

 

Perguntou se era dura a realidade? Ela é suave, doce, bela e incomparável. A vida é a cura de todos os delírios do querer egoísta que desenha os desejos estúpidos de quem não ama.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 05:28
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 6 de Agosto de 2014
A senda, a folga e a vida

Em homenagem ao seu Francisco Cortez, cabra da peste, homem de fibra e verdade. Não fiz para ele, mas de sua morte soube ao terminar este poema. Reli, e vi nele homens assim, que viveram até a unha do pé mais feio.

 

Sabes parar?

Sabes que pouco importa?

Tens perna, força,

Respira bem, quer seguir,

Mas...

Sabes, tens que parar.

Ao parar faz tudo que,

Andando, não se faz.

 

Então pare.

A perna, guarde.

A força, respiração, vontade,

Usa para viver o onde está.

Se vai, não volta.

O onde se está, se não vivido,

Vai se perder. Lei da senda.

 

No viver o estar, outra sina:

SE, porém, parar e apaixonar

Vai morrer na estrada.

De que vales?

Lendas criadas sobre si mesmo.

Fábulas forjadas,

Roubadas de corsários,

os mais difamados?

De que vale sobreviver,

Aguentar à difamação que chamou a si?

A briga que comprou,

Se tudo isto fez,

Só para se mostrar vivo.

 

De que vale se não

Tiverem as pessoas?

Não vocês, leitores.

As pessoas.

Aquelas que virão aqui,

Vão chorar, por elas,

                    Por mim,

Ou por nós.

De que vale tanta cena,

Se dela não brotar amor,

Se não vier chamuscada de paixão,

          A paixão da dor,

E das delícias de existir.

Entre vocês, amados,

          Amantes seres,

Cujo amor reforça o fato,

                    O dito,

e não portanto, não o temível só imaginado...

 

Sou um pouco mais que só minhas babaquices.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 02:34
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 23 de Julho de 2014
Verdade

Vinho, desregrado vinho...

Lá vem ele, fazendo a verdade ser vomitada.

Vinho da mãe, safado e cretino.

Não vai contar, não hoje, seu puto!

Xingo sim, e daí? Xingo em prosa!

E de prosa em prosa, escapo de lhe contar...



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 03:35
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 3 de Julho de 2014
Mundinho Cão

Se o mundo é cão,

Que mundo pequeno!

Seja assim, cãozinho,

Não mais que um pequenez!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 02:19
link do post | comentar | favorito

Sábado, 14 de Junho de 2014
O amor, a explicação definitiva para a próxima hora.

O amor,

etéreo, resiliente.

Vive das migalhas.

Pequenas, dispersas,

secas, só restos.

Migalhas se espalham,

mas não são doadas.

Migalhas não são,

estão, não eram para.

Mas é delas que ele,

o poderoso amor,

 

vive.

 

Seja descuidado!

Espalhe generosamente,

descuidadamente,

assim, leviano,

as migalhas do que te alimentas.

Senão, não serás amado.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 14:27
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 5 de Junho de 2014
De boca

Quando achei que me acostumaria

com esta banheira de água morna...

afinal, já fumaram um charuto,

tomando um puro malte,

em uma banheira de água morna?

 

Mas ela chegou,

para cair,

louca,

de boca na vida.

 

E irá me querer no mar frio e agitado.

O mar agitado sacode o casco

e quebra os mastros,

te arremessa no totalmente inesperado.

Azul.

 

E todos gritam, não vá!

Se eu for, ela vai... por que não ir?

Este mar...

é tão bom este mar.

 

E ela... ela... a vontade é ela!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 00:26
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 26 de Maio de 2014
Ela, ele

Ele a queria, mais leve, solta e livre.

Não ela.

 

Ela queria dele o que ela sonhava,

sonhava com ele?

 

Ele a quis enjaular, para fingir ser seu sonho.

Ela na jaula, gostou dele assim, sonhado.

 

Ele matou de desgosto sua própria alma por vê-la presa,

ela, acordou, e fugia pela portinha de trás enquanto ele buscava alpiste.

 

Ele a queria, mais leve, solta e livre,

não ela... então fodas.

 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 21:47
link do post | comentar | favorito

Sábado, 17 de Maio de 2014
DETOX

Desintoxicar, lento processo.

Se intoxicado foi pelo amor então...

sofrerá para se livrar.

 

O amor é como balsamo,

remédio e conforto,

porém, se aplicado em e por alguém!

 

Balsamo nas mãos, sem costas para untar,

é balsamo para nada, que prega, suja, escorrega.

Com balsamo nas mãos, uma hora, sua comida vai envenenar.

 

Oleada mão, nela grudará a sujeira que irás engolir, feito porco faminto!

Então, na verdade, não se intoxica de amor?

Não meu amor! O amor nem em excesso faz mal!

 

O amor em excesso, porém, muda a alma,

sem onde derramá-lo, ela se afoga,

afogada, ela esmaece.

 

Mas veja, foi a alma, despreparada,

não o amor, a porta para a intoxicação...

e a mão, culpada, pois desejosa de costas que não poderia ter!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 00:55
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 16 de Maio de 2014
O surgimento do xingamento

O

 

 

limite

 

 

do

 

 

seu

 

 

amor

 

 

é a

 

 

muralha

 

 

do

 

 

seu

 

 

egoismo.

 

 

.

 

.

 

 

.

 

 

... puta.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 01:27
link do post | comentar | favorito

Sábado, 3 de Maio de 2014
Tardes de um mundo só.

Uma tarde seca e morna que segue a um meio dia igual.

Pint após pint, embora seja o clima de sempre daqui, onde nasci,

em dias livres, felizes e sós, como hoje,

me vejo arremessado ao belo, assustador primeiro verão londrino.  1995, hoje, aqui, foi um dia daqueles tempos.

Tempos maravilhosos que mais nada são,

foram nada? Nada é o que não substitui...

nada é o resto para além de saber das pequenas quem me vem.

O dia só finda... mas me encheu de alegria.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 22:49
link do post | comentar | favorito

Invisível

Que eu fique invisível a todos,

menos ao garçom.

Que não vejam a mim,

nem a o que eu faço.

 

Que enquanto eu desenho a esta praça,

que a este corpo eu vá apagando.

Que só me veja o garçom,

que nada seja o que eu faço.

 



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 22:42
link do post | comentar | favorito

Cafajeste

Lucidamente,

Lembrei de tudo que fizestes para se livrar de mim.

Para me diminuir, para me culpar da sua falta de amor.

 

 

Súbito, e lamentavelmente,

o Ainda te Amo pode ser sublimado em um gesto místico,

puro e livre amor a ti, se torna amor por toda a humanidade.

 

 

Melhor, e belamente,

não sabe você que me lê se falo de você, dela ou dela.

Ainda mais, e bem melhor,

não sabes de quantas mulheres é feita esta tal humanidade.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 22:31
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 18 de Abril de 2014
Betume

 

Enterraram minha bela rua.

Pedras entremeadas de grama,

chão de pé-de-moleque,

respiradouro para o solo urbano.

 

Acabou!

 

Betume, preto e morto.

Pista impecável, rua para os carros.

Mas não era? Não!

 

A estrada é para os carros,

as ruas, para as gentes.

Ruas deviam ser jardins,

que apenas permitam que os carros lhe passem.

 

Docemente, calmamente passem,

mas a rua era para as crianças se encontrarem!



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 14:15
link do post | comentar | favorito

Picasso e Thérèse, Picasso, as outras e a paz

Ela pode te consumir.

Pode te fazer um minotauro.

Depois o touro, morto e sangrado em público,

como punição à sua paixão deformadoramente intensa.

 

Consome, enlouquece, liberta...

do que? Da última!

Porém, tanta ternura, tanto amor sucre,

belo e suave, jogou-lhe ao mar,

mar de Dora.

 

Dora Mar intensa, com ela traiu Thérèse?

A ele, trair era verbo que não havia.

Dora lhe atira sim, não ao mar,

mas ao amor.

 

Afinal, uma mulher que foi a janela para o mundo todo,

para o sofrer da guerra, para a tristeza dos tempos.

Um dia, dor e amor, divorciariam?

 

Não, morreriam. Morreriam nas mãos felizes e improváveis,

da mulher Azul.

O resto? História, paixões, mulheres, amor.



publicado por Sérvio Pontes Ribeiro às 14:10
link do post | comentar | favorito

O Poeta e o Biólogo, e o jardineiro
Copyscape
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
últimas poesias

49 completos

Poeminha para a Gabi ler ...

Ode à barata latino-ameri...

Despoema

Laura 1.5

HECATOMBE

Feiurinhas de Ana Beatriz

Em tempos de....

Medos trocados

O Maneta

Dias brancos

Diferentes coisas

Caixa de passarinhos

O que foi?

Fragmento de um poema esc...

Poema resposta: a uma lei...

Diálogo com o destruidor ...

A senda, a folga e a vida

Verdade

Mundinho Cão

O amor, a explicação defi...

De boca

Ela, ele

DETOX

O surgimento do xingament...

Livros e retalhos

Julho 2016

Junho 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Maio 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Outubro 2010

Agosto 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

pesquisar
 
links
subscrever feeds